quinta-feira, 28 de maio de 2009

| Maldito Tempo |

Tempo certo/ Tempo errado

Tempo de nada com quase tudo

Tempo de pesar

Maldito tempo que me disse que ele aliviaria a dor

e talvez por pena de mim por durar muito tempo

esqueceu-se de dizer que tudo passaria

mas restaria a essência do amor à seu tempo

à seu jeito/ à sua disposição

Portanto tenha coragem para dizer “te amo”

Aqui e agora

No meu tempo

Por um amor já tão passado


Obs: Digo maldito porque apenas ele disse que era o remédio,

mas não disse que o próprio tempo não passaria.

.

Escrito por Martha Chaves no dia 29/ setembro/ 2005.

.

PS: Martha Chaves é a minha mãe. Achei isso em um dos meus cadernos de anotações alheias.

7 comentários:

Clarinhaaa disse...

Renato, deletei o outro texto porque postei duas vezes...rs
Deixo aqui seu comentário, obrigadinha!!!! =)

Clarinhaaa disse...

Renato disse...

Bem, agora to começando a entender... a genética num falha nunca mesmo.
Simplesmente lindo!


Aliás to desorientado aqui, pois num sei de onde eu começo diante de tanta coisa maravilhosa.

Bjos!
Quinta-feira, 28 Maio, 2009

Val Falcão disse...

Concordo com o Renato....realmente o tempo pode passar e o amor continua....fazer o que a cada dia que passa vejo que nada, talvez nem mesmo o tempo...
Beijos e ótimo fim de semana, fique com Deus.

Ariane Souza disse...

Ai, ai...o tempo!
Eita remédinho amargo!
Bjus e xerus

Zeroglota disse...

Sua mãe?!
Lindo texto, sentimentos
de um ser em relação ao tempo.
E o tempo é imutável em suas mutações!
Não tem culpas nem sentimentos,
nosso claustro.
Beijossssssssssssssssssss!

Andréia M. G. disse...

Tal mãe, tal filha. rs

ivone fonseca disse...

Clara não conta pra ela não, mas me emocionei alucinadamente em imaginar ela escrevendo isto... acho q consingo compreendé-la... afinal tb tenho parte nesta mãe neh rs.. bj grd e aproveita e aperta ela muito pra mim.. bj florzinha t+