segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Entre suspiros


Eu sei que na verdade o ar é livre pra quem quiser fazer dele o que imaginar dentro de uma ilimitada liberdade. Há sempre um lado que pesa, mas vamos flutuar feito aquela flor que sopramos em campos abertos. É tempo de esfriar os nervos e respirar. Renascer. Crescer. Ser. Não façamos questão de sermos tudo. Vamos. Falaremos desse jogo da vida. Das curvas e retas que nela nos coloca obstáculos. Abriremos aquelas lembranças da infância. Aquelas manias e tiques já esquecidos. Se não sabemos o que será daqui pra frente. Viveremos o hoje. Agora.
.

6 comentários:

Valquíria Falcão disse...

Que vivamos a cada dia como se fosse o último, então o vivamos intensamente....

Beijos e um Felis Natal...

Dilberto L. Rosa disse...

Infelizmente, já há tantos vivendo para 2011 e suas tolas e vazias esperanças... Sejamos mesmo livres: livres do consumismo desenfreado deste fim de ano (e de todos os outros) e das cobranças mortais que costumamos fazer de nós mesmos neste época do ano... Um grande abraço, minha cara!

REFLETINDO disse...

Buenas Clara,

Boas festas e tudo de bom...
Abraços
Paulo.

Por que você faz poema? disse...

Adeus, ano novo!

mural do ajosan disse...

Linda sua mensagem, Ana Clara; abrir as lembranças da infância, uau!! lindas palavras, poetisa; abração.

Malu disse...

Amei suas páginas!!!
Leves, coloridas e acima de tudo parecem trazer felicidade..
Abraço