sábado, 1 de agosto de 2009

| Clarice |


Esqueceram de Clarice. Ali. No canto. Sem olhar para trás eles se foram. Simples. Não lhe perguntaram nada. Por um segundo mais feliz. Por um olhar a mais. As lembranças foram pra onde? Devolva a ela. Isso a pertence. Eles se pintaram. Se enfeitaram. Mas a chuva veio de surpresa. E aquela 'beleza toda' foi com a tempestade. E só restou a Clarice. Sem desculpar ou aceitar. Ficar. Ali.

PS: Curtiu o blog? Gostou?. Então vote no link ali em cima. Sua opnião é muito importante.. bjs

5 comentários:

Valquíria Falcão disse...

Lindo texto menina, começou o mês de pé direitro...beijos e ótimo fim de semana...

ivone fonseca disse...

Nossa Ana neste vc se superou, ficou incrivél...


bj grd t amuuuuuu

Ps. vou fazer um atorata de limão pra vc.

Bruna Nunes disse...

Gosto muito desse nome. O interessante desse seu texto é que ele se tem grande semelhança com a "Clarice" da música do Renato Russo. Só que aqui, fazendo uma comparação direta com a letra da música, a vemos como se estivesse tentando fugir "do seu pequeno canivete". Seus textos são sempre muito interessantes.
grande abraço

Lucimar Simon disse...

As vezes a interpretaçao artistica supera barreiras, o teatro e sua magica transfigura qualquer realidade ou verdade, somos mesmos reais?, queremos ser reais? ou sera que a chuva, apenas uma chuva, leva o que temos em nossa face deixando assim exposta nossa verdadeira pele, sendo assim que tome chuva, chuva de amor, chuva de verao, chuva de verdades e sentimentos e que estes sejam reais.

beijos otimo texto, estou de volta com força total a frente....

adolo voxe

MEL disse...

Adorei tudo - foto demais!! Uau!!Forte e intensa!!

(Só por curiosidade meu próximo trabalho se chama "Até amanhã Clarice":P)

Beijinhos*